Wilson Grassi

Wilson Grassi

Na verdade o Sadim nunca foi embora. Ele está sempre a espreita, ansioso por uma boa energia para sugar, como as sangue-sugas que emergem do lodo em busca de um acesso venoso. E não existe só um Sadim, infelizmente existem vários. Digo a volta, pois retomo um termo que ouvi pela primeira vez há alguns anos, em uma palestra do Guru Baba Gioso, que habita o cume do monte Oiraniretev.

Sadim é anagrama de Midas. Exatamente o contrário. Tanto na grafia como na atitude. Midas, segundo a lenda transforma tudo em ouro. Sadim transforma em chumbo. Midas constrói. Sadim destrói. Midas elogia. Sadim critica. Midas coloca o foco na solução da questão. Sadim só tem olhos para os problemas. Midas fica feliz com a felicidade dos outros. Sadim se remói. Midas chama para si a responsabilidade de tudo na vida. Sadim põe a culpa nos outros. Midas é humilde e aprende com seus erros. Sadim é arrogante e pensa que não erra nunca, por isso não precisa melhorar. Midas tira forças de seus valores. Sadim precisa da desgraça alheia para se sentir melhor. Midas ajuda. Sadim atrapalha. Midas aceita a mudança e busca se adaptar. Sadim pragueja e se agarra ao passado. Midas busca a autoconsciência. Sadim mente para si mesmo. Midas sabe o valor do silencio. Sadim fala sem parar. Midas arruma sua própria casa. Sadim desarruma a casa dos outros. Midas compreende. Sadim agride. Midas sabe que precisa melhorar muito. Sadim acha que os outros precisam melhorar muito. Midas respeita. Sadim desconfia. Midas tem coragem para ser telhado. Sadim joga pedras. Midas dá a outra face. Sadim dá outro tapa. Midas vai atrás da sua felicidade. Sadim esconde suas frustrações. Midas é ocupado, pois trabalha e estuda muito. Sadim tem tempo de sobra para falar mal dos outros. Midas faz. Sadim fala. Midas liberta, Sadim acorrenta. Midas estende a mão. Sadim passa a perna. Midas é um eterno aprendiz. Sadim é um doente emocional e o Sadinismo é um mecanismo de defesa para encobrir suas fraquezas e frustrações.

Midas, no passado, pode ter sido um Sadim, que abriu os olhos e decidiu mudar. Sadim pode virar Midas, mas primeiro precisa parar, ter coragem de se autoanalisar, tirar suas mascaras, entender e enfrentar suas verdadeiras motivações e então controlar de verdade suas ações. Possível, mas tarefa para poucos.

Banhos

Recomendo não dar banho em filhotes, antes da vacinação completa, a não ser em casos de extrema necessidade. Filhotes que vieram da rua, que apresentem doenças no pelo ou que por qualquer motivo estejam imundos, não tem jeito, tem de dar banho; mas se não for o caso, contorne a situação com lencinhos higiênicos, gel para banho eco ou aquelas famosas misturinhas de álcool e vinagre.

Já os adultos e jovens vacinados podem tomar banho conforme a necessidade. Cães que moram dentro de casa podem tomar, no máximo, um banho por semana, mais que isso é exagero e pode fazer mal.

Cães grandes e de quintal, podem passar bem com banhos a cada 15 ou 20 dias.

Use sempre água morna e produtos neutros ou específicos para animais. Coloque um chumacinho de algodão para não entrar água na orelha e lembre-se de retirar o algodão depois, e muito cuidado para não deixar cair sabão nos olhos dele.

Os cães gostam de ser massageados e curtem um banho, até pelo carinho e atenção que recebem. Já os gatos, em geral lutam como se fugissem da forca. Muita gente desiste, dependendo do gato, de banhar o felino após a primeira experiência e os muitos arranhões. Pelo menos tentaram!

Tanto para cães quanto para gatos, o grande problema não é exatamente o banho, mas sim a hora de secar. Secar um poodle tosadinho é moleza, já secar um cocker peludo ou um gato persa é tarefa para profissional com paciência.

Deixar um bicho peludo secar ao natural, ou só usar uma toalhinha, não adianta. Favorece problemas respiratórios, articulares e dermatites. Se você for usar toalhas, use várias, tantas quantas forem necessárias até deixar o animal o mais perto possível de estar seco. Se você puder usar um secador, melhor, mas se seu bicho tem pelo longo, tem de segurar o secador com uma mão e ir escovando com uma escova adequada na outra mão. Peça a ele para ficar parado e quieto em cima da mesa, se ele não te atender, consiga um ajudante com disposição.

Alguns animais têm de ser levados ao Pet Shop para receber serviço de profissional. Fique junto da primeira vez e se certifique que a pessoa que vai lidar com ele tem jeito, experiência, gosta de cachorro e é profissional mesmo e não apenas curioso. Prefira sempre os pets que têm um veterinário responsável e presente.

Tosa

Animal peludo é originário de país frio, e o Brasil é um país tropical, ou seja, quente. Aqui não é lugar de bicho peludo, pois eles sofrem muito com o calor. Isso não é natural! Passar calor é angustiante, você sabe disso, e sempre que está quente, as pessoas vestem roupas leves.

Pois bem, um pelo longo é como uma roupa de frio. Toda vez que um cachorro está com a língua de fora, ofegante, está com calor. Portanto, recomendo tosar frequentemente todo animal de pelo longo. Poodles, cockers, persas, lhasas etc.

Fora à questão do calor, tem também a questão da higiene. Pelos curtos ou tosados juntam menos sujeira, são mais fáceis de lavar e secar e não demandam seu tempo com as escovações, que devem ser diárias nos peludos.

Tosa é procedimento que necessita de aparelhagem específica. Máquinas de cortar cabelo de gente não têm força suficiente, e também tosar não é tarefa para qualquer um. A pessoa precisa ser caprichosa, paciente e profissional. Melhor você não inventar de fazer em casa. Procure um lugar de confiança.

Apenas os gatos que dividem o mesmo terreno conseguem acalmar o cachorro

Funcionários da ONG Bill FoundationDog receberam uma ligação avisando que um pit bull foi abandonado e só está vivo graças aos vizinhos. Ao chegar na casa onde o animal está, os funcionários não conseguem contê-lo por conta do nervosismo causado pelo abandono.

Apenas os gatos que dividem o mesmo terreno conseguem acalmar o cachorro para que os voluntários consigam ajudá-lo. Após ter sido cuidado e tratado, o cachorro foi disponibilizado para adoção e ganhou o nome de Gideão. O nome significa “destruidor”, “guerreiro poderoso” ou “lenhador”. Ele foi o quinto juiz de Israel, segundo a Bíblia.

Fonte: Correio 24 Horas

Menino com autismo expressa sentimentos graças a um cão
Reprodução / BBC

Um menino britânico de seis anos de idade está conseguindo contornar o seu autismo e expressar sentimentos pela primeira vez graças a um “cão companheiro”.

A companheira de Oliver, a cachorra Lucy, é um “buddy dog”, explica a mãe do menino, Sarah Smith.

— Lucy mudou a vida (de Oliver) desde o momento em que chegou. Desde o começo, todas as vezes que Oliver tinha uma crise, nós chamávamos a Lucy e ela vinha e se deitava perto dele e o acalmava. O efeito que ela tem nele é incrível.

Segundo Sarah, depois da chegada do animal, Oliver até já disse para a mãe que a amava.

A organização Guide Dogs, cujo programa paralelo se chama Buddy Dogs, afirma que estes cães companheiros podem melhorar a qualidade de vida de uma criança, aumentar sua confiança e auto-estima, aumentar os níveis de exercício e evitar o isolamento.

Fonte: R7

Quando algum material é bem feito não existe a necessidade de se elaborar outro, visto que podemos utilizar nosso tempo para criação de alguma outra postagem. Por este motivo resolvemos reproduzir aqui as postagens do Portal Nosso Mundo e do blog Dicas Peludas da amiga Denise Dechen. O banner sobre bicarbonato de sódio no fim do post é de autoria de Dra Flávia Saad, professora na UFLA – Universidade Federal de Lavras especialista em nutrição de cães, gatos, passáros e animais silvestres e exóticos.

A internet nos proporciona atualmente uma fonte riquíssima de informações a respeito dos vários cuidados que devemos ter com nossos animais domésticos. Orientações sobre guarda responsável, cuidados com a alimentação, dicas e recomendações de saúde estão amplamente distribuídas através de redes sociais e fóruns online. Porém, é importante entender que nem tudo o que é divulgado é verdadeiro e benéfico. Ao mesmo tempo em que informações valiosas são compartilhadas, muitas informações falsas e que trazem prejuízos aos animais também o são. Exemplos disso são as famosas “receitas caseiras milagrosas” que prometem façanhas como a cura da cinomose, controle e cura do câncer, antídoto para envenenamento, controle de ectoparasitas entre outros. Estas formulações caseiras iludem o tutor com a promessa de uma solução rápida, barata e eficaz para os problemas do seu animal, quando na verdade não funcionam e acabam por retardar ou agravar o quadro clínico do mesmo.

Separei então algumas das principais receitas caseiras que andam circulando pela internet e seus perigos ao serem utilizadas ou administradas a cães e gatos:

- Dica anti-envenenamento do Dr Marcell Benedetti (dica do “atroveran”): essa é, provavelmente, a receita caseira mais divulgada na internet, e pode trazer danos irreparáveis a cães e gatos com suspeita ou comprovação de envenenamento. O texto orienta o tutor de um animal envenenado a usar água oxigenada seguido por algumas gotas de um medicamento chamado atroveran. A água oxigenada funcionaria como estimulante para que o animal vomite, e o atroveran teria a função de neutralizar venenos como chumbinho e 1080. Vamos então aos esclarecimentos: nem todo caso de envenenamento tem indicação de provocar vômito. Algumas substâncias ácidas ou cáusticas, ao serem ingeridas e posteriormente vomitadas, levam à extensas queimaduras químicas ao longo do esôfago e cavidade oral. Outro fator importantíssimo a ser considerado é o estado de consciência do animal.

Animais com hiper estimulação do sistema nervoso central (causado por alguns tipos de substâncias) podem convulsionar, o que contra indica totalmente o vômito. Animais torporosos (sonolentos) também não devem ser estimulados a vomitar pelo risco de falsa via (engasgo). Ainda, em hipótese alguma se administram líquidos ou medicamentos por via oral em animais nessas condições pelo mesmo motivo (engasgo). Quanto ao atroveran, essa medicação não possui poder algum de neutralização de substâncias tóxicas, especialmente tratando-se do veneno 1080 (monofluoracetato de sódio), que não possui nenhum antídoto conhecido.

Ainda em relação a casos de envenenamento, várias receitas paralelas têm sido indicadas por leigos em fóruns online: leite, café, água morna, leite com soro (ou sem soro), azeite, carvão ralado em água gelada ou amassado com leite, buscopan, gema de ovos, quiabo com água batido no liquidificador, leite com açúcar, água com detergente, etc. Nenhuma dessas substâncias tem eficácia frente a casos de envenenamento e não devem ser administradas ao animal. A dica é correr com o animal para o veterinário levando consigo, quando possível, o nome ou o rótulo da substância ingerida para que os cuidados de suporte possam ser iniciados imediatamente.

- Limão com bicarbonato, uma combinação 1000 vezes mais potente que a quimioterapia: essa “mágica” promete curar o câncer. Porém, não existe nenhuma evidência que comprove cientificamente que limão misturado a bicarbonato (o mesmo serve para raspas geladas de limão) possa exercer algum efeito curativo a pacientes vítimas de tumores malignos. Tumores são massas originadas da multiplicação descontrolada das células, necessitando de medicações específicas que levem à lise (quebra) dessas células e ao controle dos sinais clínicos. As medicações utilizadas no tratamento do câncer são chamadas de antineoplásicos (quimioterapia, imunoterapia, hormonioterapia), e tem funções amplas e complexas no tratamento da doença, agindo diretamente no material genético das células modificadas. Jamais se aceitou que formulações caseiras possam substituir a ação dessas medicações e levar à remissão de tumores e a cura dos pacientes, sejam eles humanos ou animais. Portanto essa dica é falsa e muito perigosa, e não deve ser seguida.

- Solução de cânfora com álcool para matar pulgas e carrapatos: a cânfora pode levar à reações alérgicas e toxicidade em cães, gatos e crianças. Quando misturada ao álcool então, seus efeitos podem ser ainda mais prejudiciais. A ação dessa mistura sobre pulgas e carrapatos nada faz além de deixá-los um pouco tontos. Para que haja um controle efetivo de ectoparasitas (pulgas e carrapatos) se faz necessário controle ambiental aliado ao uso de produtos específicos para esse fim, sempre orientados por um médico veterinário.

- Quiabo batido no liquidificador cura cinomose: a cinomose é uma doença causada por um vírus e tem um alto índice de mortalidade entre cães não vacinados, especialmente quando não diagnosticada e tratada corretamente. É altamente contagiosa e caracteriza-se pela ocorrência de alterações respiratórias, digestivas e de sistema nervoso central. O tratamento envolve cuidados de suporte e antibioticoterapia de amplo espectro a fim de debelar infecções bacterianas secundárias que freqüentemente levam o animal à morte. A dica do suco de quiabo é bastante perigosa, uma vez que, além de não ter efetividade alguma no tratamento da doença, acaba por retardar e prejudicar o correto tratamento.

- Papinha milagrosa feita com fígado, quiabo e leite batidos no liquidificador para curar parvovirose e cinomose: a alimentação de um animal muitas vezes pode interferir no tratamento de doenças, da mesma forma que determinadas doenças impedem o uso de um ou outro tipo de alimentação. Pacientes nefropatas, por exemplo, não devem receber alimentação com altos níveis de proteínas. Pacientes hepatopatas por sua vez, devem receber uma alimentação específica a fim de poupar a função de um fígado já prejudicado pela doença. O que é bom e saudável para um animal, pode ser prejudicial a outro. Dessa forma, sair por aí indicando essa ou aquela dieta pode ser perigoso e levar à danos consideráveis à saúde dos animais.

Essas são apenas algumas das receitas divulgadas e compartilhadas na internet. Nenhuma tem fundamentação científica, nenhuma tem eficácia comprovada, ou seja, nenhuma dessas receitas funciona de fato. Mais do que isso, ao serem seguidas, podem causar danos importantes em cães e gatos, além de retardar o tratamento correto. É necessário então termos bom senso, desconfiar daquilo que parece milagroso demais, evitar compartilhar textos, cartazes e banners sem que se saiba a confiabilidade dos mesmos. Afinal nosso animal é nossa responsabilidade e quando doentes, merecem e necessitam de assistência veterinária qualificada. Optar por receitas caseiras na tentativa de evitar uma consulta ao veterinário não denota apenas irresponsabilidade, mas constitui-se em um crime, uma vez que se está negando ao animal o recurso que ele necessita para viver bem e com saúde.

E a mais nova, Bicarbonato cura câncer: ”Um texto que promete a cura natural do câncer através de uma mistura de limonada com bicarbonato de sódio tem circulado na internet de tempos em tempos, especialmente nas redes sociais. Supostamente divulgado por um “Instituto de Ciências da Saúde”, o documento afirma que o limão “é um produto milagroso para curar as células cancerígenas”. Além disso, chama atenção por informar que a receita milagrosa é “10.000 vezes mais forte que a quimioterapia”. O BOL buscou a opinião de especialistas para avaliar a veracidade da “medicação cítrica” e confirmou que as informações são falsas – a receita chega a ser ingênua e não passa de uma “balela”.

“A literatura médica desconhece evidências sólidas de que o limão ou a limonada com bicarbonato possam ser anticancerígenos e, muito menos, substituir tratamentos quimioterápicos”, explicou Pilar Estevez Diz, oncologista clínica e coordenadora do ICESP (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo).

Pilar também rebate um trecho do texto que salienta que a cura através do “suco milagroso” acontece porque o extrato da fruta altera o pH (potencial hidrogeniônico que indica o índice de acidez, neutralidade ou alcalinidade do organismo, além de regular o metabolismo). Ela explica que não é apenas a alteração de pH que leva à cura da doença e ressalta que toda linha de terapia para o câncer passa por investigações rigorosas. “É importante desmitificar essa informação, que chega a ser ingênua, porque se deve pensar na segurança do tratamento, que não pode causar mais efeitos que a própria doença”, falou a oncologista.

Fonte: Esquadrão Pet

Sabe as crianças que são péssimas em brincar de esconde-esconde? Pois é, os animais que mostraremos aqui devem ter se baseado nas pequenas criaturas do post mencionado.

Dá uma olhada nessas 19 coisinhas e tente não rir com suas artimanhas. Eles são mestres em se esconder dos tutores:


1 – “Nunca terão a bola de volta. Chega de jogar ela por aí!”




2 – “Fiz xixi no carpete, mas nunca me acharão novamente”




3 – “Vocês sentirão minha falta, humanos”




4 – “Agora tente achar quem fez isso”




5 – “A capa da invisibilidade realmente existe!”




6 – “Nunca vão me achar aqui”




7 – Hahaha




8 – “Isso é se esconder!”




9 – Esse cachorro tem certeza de que está fora de visão




10 – Esse gato achando que não tem nenhuma partezinha de fora




11 – Esse também




12 – “Jamais verão minha beleza novamente. Eles não me merecem”




13 – “O quê?! Tomar banho?”




14 – “Alguém falou em veterinário?”




15 – “Oculto para sempre”




16 – “Eu não posso ver você, então você não pode me ver”




17 – “Perfeitamente seguro e invisível”




18 – “Eu sou o Ba… Catman”




19 – “Atacarei quando ele menos imaginar”



Fonte: Tudo Interessante

Objetivo é garantir a segurança e a saúde dos animais de estimação (Foto: Divulgação)

Os pet shops de todo o Brasil deverão se adequar a uma nova resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária, que foi criada para dar mais condições aos animais domésticos. O objetivo é garantir a segurança e a saúde deles, levando em consideração a iluminação e o espaço físico ideal para cada espécie.

De acordo com a norma, que já está em vigor, o médico veterinário do pet shop fica responsável pela higiene do local e pelo bem-estar dos animais expostos. “Já existe essa obrigatoriedade por uma Lei Federal desde 1968. Então, ela não está criando uma obrigatoriedade dos estabelecimentos possuírem veterinário mas, sim, normatizando o que o veterinário deve fazer”, explica a veterinária Tatiana Pelucio.

A resolução também prevê que o veterinário avise formalmente o dono do pet shop sobre qualquer irregularidade encontrada no local e oriente sobre os procedimentos adequados. Caso a situação não seja solucionada, o profissional é obrigado a comunicar o problema ao conselho da categoria. A fiscalização é feita pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Os estabelecimentos e os profissionais que descumprirem as normas estão sujeitos a multa e punições administrativas. “Sempre que tiver a constatação de uma irregularidade pelo nosso fiscal os dois vão responder. O veterinário é responsável mesmo e se ele não comprovar que está tomando medidas para corrigir o que está errado acaba sendo conivente com a situação”, continua Tatiana.

A resolução define o papel do veterinário dentro dos pet shops, deixando os procedimentos organizados. A presença do profissional é importante para garantir que o animal receba o melhor atendimento possível. “Junto com essa lei agora a gente pode ter a condição de cobrar dos estabelecimentos que façam o manejo adequado de acordo com as boas práticas veterinárias e ofereçam o melhor seja um animalzinho em exposição, para doação ou para venda”, esclarece a veterinária Pâmela Agostinho.

Fonte: G1

Quando a história de Kai, o cachorro que foi abandonado em uma estação de trem na Escócia com uma mala contendo seus pertences, ganhou repercussão mundial na semana passada, poucas respostas foram dadas quanto ao motivo que o levara a enfrentar aquele abandono.

Depois de uma investigação conduzida pela Scottish SPCA, foi possível descobrir através de um microchip implantado no cão informações quanto ao nome e tutor registrado e supostamente responsável por ele. O tutor, por sua vez, alegou que o cão foi vendido em 2013 e que não possuia nenhuma informação das pessoas que o compraram.

O que parecia um beco sem saída ganhou uma nova perspectiva quando, finalmente, pudemos saber o que de fato aconteceu.

O que realmente aconteceu com Kai

Fin Rayner concedeu uma entrevista para o jornal Telegraph contando que ela e sua filha resolveram comprar um cachorro no site de venda Gumtree, porém, quando as duas chegaram na estação de trem para coletá-lo, o animal não correspondia a foto postada no anúncio.

Dizendo que queria primeiro passear com o animal, o homem que até então estava com Kai, pediu um depósito de 150 libras (aproximadamente R$600) para caso ela não voltasse. Nesse momento, o homem saiu rapidamente com o carro.

Apesar de ligar exigindo que o vendedor voltasse, ele não apareceu. Enquanto isso, o filho de Fin que estava em casa conseguiu descobrir online que a foto no anúncio na verdade era de 2005. Com pressa para pegar o último trem do dia, Fin chegou a conclusão que Kai não era problema dela e resolveu então não levar o cachorro consigo. Ela avisou a um funcionário da estação de trem que esse cachorro pertencia a outra pessoa, o amarrou, e foi embora.

Recebendo uma nova chance

Após a grande atenção online e já estando na guarda da Scottish SPCA, a ONG detectou que o cão necessitaria de uma cirurgia. Graças a uma arrecadação de fundos online, Kai já fez a cirurgia e está muito bem em fase de recuperação.

Enquanto centenas de pessoas se propuseram a adotar Kai, e outras milhares deixaram o mensagens de carinho, Kai muito em breve ganhará um novo lar.

Enquanto isso, ele será o rosto da campanha no Reino Unido da PETA contra a venda online de cachorros.

Fonte: Portal do Dog

No começo de 2013, o casal canadense Steve Jenkins e Derek Walter adotaram Esther, uma porquinha de apenas um mês de vida, que eles acreditavam ser um leitão pigmeu. Porém ao passar das semanas, o animal foi crescendo e tomando proporções gigantescas, bem maiores do que o esperado. Dois anos e 300 quilos mais tarde, a “pequena leitoa” se transformou em um animal gigante.

Mas como todo animal doméstico, a porca Esther já fazia parte da vida de Steve e Derek, que não tiveram coragem de vender o animal e nem se alimentar dele.

Quando perceberam o quão inteligente e amigável Esther era (porcos são tão inteligentes como os cães, e considerado por muitos especialistas, animais limpos), não podiam tolerar a ideia de que eles estavam comendo outros porcos que eram tão inteligentes e amigáveis quanto. O casal se tornou ativistas Veganos (quando não se consome nada de origem animal) e hoje mantém um abrigo que acolhe animais abandonados ou em situação de descuido.

Confira as fotos do convívio diário do gigantesco animal doméstico, com outros animais no apartamento:

Foto: Divulgação

Nos primeiros dois anos de criação a porca já pesava 300 quilos:

Foto: Divulgação

A porca se adaptou bem e convive em harmonia com os demais animais do casal:

Foto: Divulgação

Fonte: Diário da Manhã

Bobby, um cão que foi resgatado com o rabo destruído, posou para fotos ao lado de mais de um quilo de pelos removidos de seu corpo, até então descuidado.

O animal de 13 anos de idade, que era incapaz de abanar o rabo por conta do emaranhado de pelos, foi levado ao Dogs Trust, em Snetterton, Norfolk, Inglaterra, completamente debilitado.

Mas depois de uma boa tosa e um belo banho, além de uma alimentação privilegiada, o animal ficou pronto para tentar encontrar um novo lar.

Cão Bobby, que foi resgatado em estado trágico, posou ao lado de emaranhado de pelo que foi retirado de seu corpo, e agora busca novo lar para viver e curtir sua aposentadoria.

A diretora do centro de apoio, Kate Brewster, comentou: “Com o seu novo visual, Bobby parece ter desencadeado uma nova explosão de energia.”

Ela disse que o animal está procurando uma casa para passar seus anos de “aposentadoria”, levando amor aos novos tutores.

“Nós não temos nenhuma dúvida de que Bobby vai fazer uma grande adição e só quero encontrar um lugar onde ele possa brilhar,” completou Kate.

Fonte: Gadoo

Pagina 3 de 4