Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), no mundo, 9,4 milhões de pessoas morrem, por ano, devido à hipertenção arterial. No Brasil, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), este percentual chega a 32% dos óbitos.

Nas últimas décadas, a capacidade de alguns alimentos de diminuir os níveis de colesterol, a principal causa da hipertensão, tem sido investigada. Desde a década de 1970, diversos estudos tem comprovado o papel importante do acido graxo ômega-3 no controle das taxas de HDL, colesterol bom, e do LDL, colesterol ruim. Além do equilíbrio do colesterol, os estudos comprovam, ainda, que a ingestão regular de ômega-3 colabora para a prevenção de doenças cardiovasculares e melhora as funções cerebrais, como: concentração, memória e desempenho.

Popularmente conhecida como gordura do peixe, devido ao salmão, atum, sardinha e as trutas terem grande concentração do ácido graxo, o ômega-3 também pode ser encontrado nas nozes, semente de linhaça e óleo de canola. Segundo explica a nutricionista do Centro Médico São José, de Cerquilho (SP), Dra. Daniela Cristiane Ferrari Denardi, o ômega -3 de origem vegetal possui mais EPA e DHA em sua composição, o que o torna mais benéfico ao organismo. O EPA e o DHA são gorduras da família do ômega-3 e possuem importante ação anti-inflamatória, além trazerem benefícios para o coração, circulação e cérebro. “Muitas pessoas desconhecem o ômega-3 de origem vegetal, mas estes alimentos possuem uma concentração maior do ácido graxo, se comparados aos peixes, que são a principal opção de escolha da população”, ressalta a nutricionista.

Ainda de acordo com a especialista, nosso organismo não produz o ácido graxo, por isto, é essencial incluirmos alimentos com ômega-3 em nossa dieta. “A associação Americana do Coração recomenda a ingestão de 1 a 1,6 gramas, por dia. Em 100 gramas de salmão, temos, aproximadamente, 2 gramas de ômega-3. Na truta e no salmão, 1,6 gramas; já, na semente de linhaça, temos o dobro do ácido-graxo”, aponta a nutricionista.

Para a semente de linhaça, aconselha Dr. Daniela, o ideal é consumirmos triturada. “Porém, a semente triturada não pode ser armazenada por muito tempo. O recomendado é consumir em até uma semana. Passado este tempo, a farinha oxida e perde-se parte do ômega-3”, pondera a especialista.

Apesar dos benefícios do ácido graxo, não é recomendada a ingestão de suplementos a base de ômega-3, sem a prescrição de um médico ou nutricionista. “Atualmente, existem no mercado diversos suplementos, que possuem o ácido graxo como principal componente. Entretanto, apenas um médico pode indicar este tipo de suplementação. O ideal é acrescentarmos alimentos que são fontes de ômega-3 na nossa dieta diária”, finaliza.

Fonte: Segs