Em Santa Catarina, além de Florianópolis, Lages passou a implantar o microchip na última terça-feira, 9. A regra vale apenas para cães disponíveis para adoção no Centro de Zoonoses. A partir de abril, o programa será estendido a todos.

Por enquanto, serão chipados 24 mil cães. Destes, cerca de 10 mil vivem abandonados.

Por dia, são levados ao Centro, em média, sete animais sem lar. Como muitos estão machucados ou doentes, entre 20% e 30% são sacrificados, pois o risco de contaminação do canil, com capacidade para 50 cães, é grande.

Implantação poderá ser feita de graça na cidade

A aplicação do chip será gratuita e feita no próprio Centro de Zoonoses. Os interessados devem levar seus cães e apresentar os documentos pessoais e comprovante de residência. É feito um Registro Geral de Animal (RGA) com uma numeração, os dados do cão e do tutor, e uma carteirinha é entregue ao responsável.

“Não podemos obrigar ninguém a implantar o chip nos seus cães, mas se o cidadão cuida bem do bicho, ele certamente fará questão de aderir ao programa. Nosso objetivo é reduzir a população de cães de rua, que podem morder as pessoas ou espalhar doenças, e promover a guarda responsável de animais”, explica a veterinária Andrea Vieira Paes.

Interessados em adotar os cães do Centro de Controle de Zoonoses de Lages podem ir diretamente ao órgão, no Bairro Tributo, ou telefonar para (49) 3223-0815.

Fonte: Diário Catarinense