Para MP, instalações têm problemas de falta de limpeza e descuido
João Carlos Nascimento/TodoDia Imagem

Animais no Centro de Zoonoses de Hortolândia: falta de estrutura e ação do Ministério Público contra prefeitura
Bruna Mozer
Hortolândia

O Ministério Público impetrou uma ação civil pública contra a Prefeitura de Hortolândia em função da falta de infraestrutura no CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) para abrigar cães e gatos. Atualmente o local possui 90 cães e nove gatos, sendo que a capacidade máxima é para 100 animais, o que caracteriza lotação.

Em fevereiro, a reportagem do TodoDia apurou uma série de reclamações dos vizinhos pela falta de cuidado, higiene e mau cheiro, ocasionados pela falta de máquinas e equipamentos para realização da limpeza correta do ambiente.

A ação foi ajuizada pela promotora Débora Camargo, em fevereiro, na 1ª Vara do Foro Distrital de Hortolândia. A prefeitura já foi notificada e tem até 23 de maio para responder a ação - prazo determinado pela Justiça a partir do momento em que a citação é anexada ao processo. A Secretaria de Assuntos Jurídicos informou, por meio de assessoria de imprensa, que a manisfestação será apenas por meio de processo judicial.

PROBLEMA ANTIGO

O problema de falta de estrutura e cuidado com os animais do Centro de Zoonoses de Hortolândia é antigo. Em agosto de 2004, o Ministério Público abriu um inquérito para apuração dos problemas do local. O inquérito conta com uma vistoria de técnicos da Uipa (União Internacional Protetora dos Animais) entregue ao MP em janeiro do ano passado.

No documento, a instituição relata que o CCZ possuia “condições que lhes implicava (aos animais) sofrimento, tais como ambiente restrito, úmido, sem sol, com presença de muitas moscas, o que causa miíases (bicheiras ); alojamento algum possuia estrados para protegê-los do frio e da umidade”.

A falta de higiene, na época, foi relatada pela Uipa no que diz respeito a “existência de canaletas com dejetos e água estagnada e esverdeada entre fe z es diarréicas e moscas”.

Em fevereiro, ao visitar o canil, o vereador Edvam Campos de Albuquerque, o Ceará (PSB), afirmou ter ficado decepcionado com o que viu e relatou ter tido uma sensação de desmaio devido ao mau cheiro . Por conta disso , encaminhou um requerimento à prefeitura solicitando um parecer sobre os problemas.

Em resposta, a prefeitura afirma que uma reforma , com reparação de telas e revestimento de pisos , havia sido programada, mas que não foi realizada pela falta de funcionários disponíveis.

O CCZ conta com 39 servidores, dois assessores e 8 funcionários eventuais. A adiminstração também informa que os reparos estão sendo feitos pelos funcionários da Secretaria da Saúde, mas somente quando há tempo v a go.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que o CCZ nunca ficou sem higienização, mesmo com o equipamento para limpeza danificado, e que produtos químicos são utilizados para a eliminação de odores, fungos e bactérias. Além disso, a secretaria informou que um solariuns para que os animais tomem banho de sol foi construído no último mês.

fonte: http://portal.tododia.uol.com.br/?TodoDia=cidades&Materia=372676