Quinta, 09 Setembro 2010 04:19

Mutirão de Desenrosco Destaque

Avalie este item
(0 votos)
Veterinário Wilson Grassi
           

                A convite das protetoras Silvia e Neusa, fui para a cidade de Poá – SP, para realizar um mutirão de castração em um caso específico. Como de praxe, fizemos uma visita prévia ao local para conhecer o que estava acontecendo. Não era caso de castração, era muito mais complicado:
 O Sr. H., que "descuida" dos animais, tem cerca de 80 anos e é colecionador. De animais e de coisas. Mantinha cerca de 20 animais literalmente enroscados, ou em outros animais ou em restos de casinhas. Cercados por muito lixo e entulho.
 

Encontre um cão aqui.

 
Os animais estavam amarrados por correntes enferrujadas, arames, cordas e totalmente enroscados nos entulhos. Uma situação marcante foi ver três animais amarrados uns nos outros. Se um levantava, os outros levantavam. Se um deitava, os outros tinham que deitar. Em outro caso, uma cadelinha estava com apenas 30 cm de corrente, entre o pescoço e a casinha.
 

Os 3 amarrados juntos

os enroscos.


Neste dia, estávamos desprevenidos e pouco pudemos fazer.
Voltamos para a clínica e consideramos as possibilidades: Simplesmente libertá-los, ou removê-los, com todas as dificuldades de conseguir alojamento provisório ou desenroscá-los. Soltar seria inviável, pois era beira de estrada e veículos passavam em velocidade.


 o Sr. H
Escolhemos a terceira opção: desenroscar, mas acionamos o departamento jurídico do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal que redigiu um termo de ajuste de conduta e compromisso, onde o Sr H., com seu filho por testemunha, se comprometeu a não mais acorrentar nenhum outro animal, sob pena de ação judicial e retirada sumária de todos os que estão lá.



 
Então, com a criteriosa organização da Sheila de Freitas, planejamos um mutirão de desenrosco para o dia 7 de setembro. Reunimos um voluntariado maravilhoso, que deixou o aconchego do lar e caiu na estrada mesmo com frio e chuva e seguimos para Poá – SP.


 
Após alguma negociação, comandada pela Altina Mabelini, representante do Fórum Nacional, conseguimos as assinaturas no termo de compromisso.
 
 Em documento, Sr. H. se compremete a não acorrentar outros cães.

 
 Só então trabalho começou.

O primeiro passo foi desenroscar os 17 animais que estavam no local e passar cada um para um voluntário, que o levava para fora da área. Na maioria dos casos foi necessário alicate, faca ou martelo para soltar os enroscos.


 
                Depois de desenroscados e retirados, começou a faxina geral. Uma montanha de entulho foi removida.
 




 Montanha de lixo retirada.
A chuva não deu trégua, impediu o banho que estava planejado, mas não desanimou ninguém, muito pelo contrário, pois todos sabiam que os animais também tomavam chuva constantemente.
 


 
 
Enquanto uma equipe arrastava madeiras e enchia carros de pedreiro com a sujeira, outra cuidava dos animais. Todos foram tratados, medicados, vermifugados e ganharam anti-pulga.
 
 
 
 
Assim que abrimos um espaço menos degradante, colocamos casinhas novas, cobertas com plástico e forradas com cobertores, coleiras e correntes novas e maiores e posicionamos as casinhas da melhor forma possível. 



Casas novas  chegaram para em um lugar ainda muito ruim.
 
O Sr. H. entregou dois animais para adoção e ficou com 15 no local.
A situação não está resolvida. Ainda é muito ruim, mas foi o que pudemos fazer. Não dar para fazer tudo não quer dizer que não faríamos nada. Agora é torcer para o Sr. H. cumprir seu compromisso de não acorrentar outros animais. Torcer para pessoas da região não o assediarem mais com promessas de trocados para ele cuidar dos bichos que não querem mais, e torcer para a prefeitura fazer sua parte, trocando a política pública do dane-se, pela ação positiva, pelas pessoas e pelos animais.


Resultado final, ainda inadequado, mas melhor.

 turma da limpeza.

 Agradecimentos muito especiais:
 
Sheila de Freitas
Paulo Petigrosso
Cláudia Demarcchi
Lilian Rocca
Altina Mabelinni
Letícia Gomes
Maria Lucia de Sousa
Turma do palanque: Sandro, Michele, Selene, Bruno
Taty e Abgail
Rose
Gorete, Felipe e Carol
Cris do Grupo da Aldeia Indígena
Protetoras de Poa-SP: Silvia e Neusa
Tripoli (nos deu uma força com a logística)
Vereador Lauriston de Poá – SP (nos conseguiu as capas de chuva e algumas ferramentas e prometeu viabilizar os banhos no Pet Shop e providenciar uma cerca viva para proteger os animais)
Gigio Transportes (fez um preço camarada no ônibus que levou a turma)
Sr H. E seu filho, Sr J. Que aceitaram ação e se comprometeram a manter e melhorar a situação dos animais.
 

Veja mais fotos do mutirão
































Lido 9119 vezes