Sexta, 05 Dezembro 2014 16:04

Número de gatos no Brasil vai superar o de cães em 8 anos, diz veterinário

Avalie este item
(0 votos)
Foto: Daan Franken/Flickr/Creative Commons
O Brasil já tem a segunda maior população de gatos no mundo
O Brasil já tem a segunda maior população de gatos no mundo

A população de gatos no Brasil é a segunda maior em todo o mundo e está perto de se igualar a de cães.  A opção por ter um felino como bicho de estimação cresce de forma tão significativa no país, que tem incentivado a existência de clínicas veterinárias exclusivas para o atendimento a esses animais.

Diante dessa mudança, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) faz um alerta: garantir a saúde e o bem-estar animal deve ser o pensamento inicial de quem tem ou pensa em ter gatos.

São várias as razões pelas quais as famílias brasileiras têm optado pelos gatos, que vão desde sua adaptação mais fácil a lares menores e o próprio perfil desses felinos, mais independentes e autossuficientes. É o que explica o conselheiro do CFMV Marcello Roza, que, ainda, ressalta: “antes de a pessoa adquirir um gato, é preciso que ela entenda qual é a espécie mais adequada ao perfil da família. Por isso, é importante conversar com um médico veterinário antes da decisão de agregar um novo membro à família”, explica. Além disso, somente o médico veterinário pode repassar informações idôneas sobre necessidades, segurança, saúde e bem-estar desses animais.

Assim como Roza, o vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Goiás (CRMV-GO), Wanderson Ferreira, atribui à verticalização urbana dos municípios brasileiros como um dos motivos para o aumento do número dos felinos nas residências.

“No Brasil, a população felina cresce em média 8% ao ano, enquanto a de cães permanece estagnada. Em 2022, é esperado que haja 40 milhões de gatos no Brasil”, afirma Ferreira, que também é presidente da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet).

A expectativa da Abinpet é que, em sete anos, a população de gatos se iguale a de cães. Haverá um gato para cada cachorro. “Atualmente, são 21 milhões de gatos no Brasil e 37 milhões de cães”, revela Ferreira. “Já nos Estados Unidos e na Europa, há mais gatos do que cães nas residências. Só nos EUA, atualmente, são 80 milhões de gatos e 65 milhões de cachorros.”, afirma.

Cuidados com os animais

O presidente da Abinpet conta que é comum as residências brasileiras abrigarem mais de um gato. Por isso, nesses casos é imprescindível ter conhecimento de detalhes importantes, a fim de garantir a saúde, a segurança e o bom convívio entre eles. Uma das recomendações é a instalação de um gatil fechado até o teto, com escadas, já que esses felinos gostam de dormir em locais mais altos.  

“A interação é importante para o bem-estar da espécie. Contudo, embora os gatos sejam sociáveis, eles, inicialmente, não toleram outros gatos desconhecidos na apresentação inicial.  Por isso, deve-se ficar atento a muitos animais em um mesmo ambiente”, esclarece Ferreira.

“Caso haja mais de três em uma mesma casa, é importante que cada um deles tenha seu espaço reservado. Naturalmente, os felinos distinguem seus próprios ambientes, sem invadir território alheio”, explica o vice-presidente do CRMV-GO.

Outra recomendação relativa ao comportamento do animal é do Dr. Marcello Roza.  Embora os gatos sejam mais independentes, podendo passar até uma semana sozinhos – desde que estejam munidos de água e ração suficientes, além de sua caixinha de areia limpa e adequada para seu uso -, é preciso prestar atenção em longos períodos de ausência do dono, que podem deixá-los carentes e depressivos. 

 “Nos casos de viagem, o ideal é delegar a alguém conhecido a responsabilidade de visitar o gato a cada três dias para repor a água e a comida, além de fazer um pouco de companhia a ele”, ensina o conselheiro do CFMV.

A convivência entre esses felinos e os seres humanos pode ser pacífica, saudável e satisfatória para ambos os lados. Para isso, informe-se. Converse com um médio veterinário para entender o universo dos gatos, garantindo, assim, sua saúde e bem-estar.

A seguir, o CFMV traz algumas dicas e recomendações, lembrando que qualquer procedimento com os animais deve ter a orientação prévia do médico veterinário de sua confiança:

Saúde e higienização

Os gatos são animais naturalmente limpos. Contudo, felinos de pelos longos devem ser penteados pelo menos uma vez por dia.

Converse com um médico veterinário sobre a possibilidade de castração do animal, que pode garantir a ele uma vida mais longa e saudável.

Certifique-se que os olhos e os ouvidos estão limpos e livres de secreções. Procure orientações de um profissional sobre como limpar a superfície do ouvido com um papel.

Verifique a boca do gato para se certificar se os dentes estão limpos. Uma gengiva normalmente tem a cor rosa. Pergunte ao médico veterinário sobre os cuidados necessários.

Não se descuide do controle de parasitas, mesmo que os gatos vivam em apartamentos. Para isso, agende uma consulta com um médico veterinário.

Alimentação

A ração deve ser a base da alimentação do gato. Alimentos como leite e carne podem ser oferecidos, mas com moderação.

Os gatos necessitam de proteína animal. Por isso, opte por oferecer rações com sabores de carne, frango etc.

Estimule seu animal a beber água. Os gatos, por natureza, tomam pouca água. No entanto, a bebida é necessária para garantir uma vida saudável. Mantenha vasilhas de água em locais diferentes da casa.

Proteção

Para famílias com mais de três gatos e com espaço suficiente, é recomendável a instalação de um gatil. Atente para que a construção tenha proteção total e seja fechada no teto. Vale incluir no espaço uma escada, já que os gatos gostam de dormir em locais mais altos.

Em apartamentos, instale telas protetoras em janelas e sacadas, a fim de evitar quedas.

E, por fim, faça visitas periódicas ao médico veterinário para garantir que seu gato goze de plena saúde e esteja com as vacinas preventivas em dia.

Fonte: Tribuna Bahia

Lido 2607 vezes